ModaÉ: um talk show sobre moda

1.7.15 ∙ , , , , ,
"ModaÉ" é um evento no formato talk show que acontece em Aracaju e é promovido pelo jornalista Ruhan Victor. Ao sentir a falta de eventos que falassem sobre moda, Ruhan viu nesta lacuna a oportunidade de promover um bate-papo que mesclasse o tema a assuntos do cotidiano, provando que de fútil a moda não tem nada. 

Ruhan já havia trabalhado na redação de uma extinta revista de moda da cidade, mas percebeu que os eventos aracajuanos de moda se resumiam a inaugurações de lojas e lançamentos de coleções. A ideia inicial foi pensada em 2013 e em julho de 2014 ela foi concretizada, com o incentivo da sua orientadora Greice Schneider. 
"O evento cria uma conversa, mas com fatos, histórias e um roteiro bem definido. Eu apresento, tenho mais três convidados especialistas para me ajudar na discussão e também oferecemos uma oficina criativa antes do bate-papo, que conta com perguntas e respostas e é sempre muito descontraído. Não tem clima de palestra! A escolha de temas é questão de feeling, vai muito do que está rolando no mundo e da minha intuição. Estou sempre lendo, vendo coisas, sempre estudo o assunto para desenvolver a coisa toda. O primeiro evento, que aconteceu em julho de 2014, foi sobre moda e esporte, porque a gente estava no meio da copa do mundo e eu estava lendo um livro que tocava bastante nessa relação".
Oficina de customização na edição ModaÉ Esporte (Imagem: Facebook ModaÉ)

Eu tive a oportunidade de ir na edição ModaÉ Arte e fiquei encantada com a qualidade do evento. É extremamente organizado, com convidados preparados que tornaram a discussão muito rica e bem embasada, mas de forma leve e descontraída, mediada pelo bom humor e espontaneidade de Ruhan. Além disso, é gratuito e beneficente, algo incomum no ramo da moda, que é uma área tão cara e inacessível para alguns.
"Em janeiro, fizemos moda e arte, por que sou completamente obcecado por esse assunto. Foi o mais trabalhoso em termos de conteúdo, mas curiosamente, foi nosso evento recorde de público, quase 200 pessoas na Pinacoteca do Centro de Cultura e Arte da UFS. Faltaram cadeiras".
ModaÉ Arte: edição recorde de público (Imagem: Faal Barreto)
Diante da minha admiração pelo ME, decidi conversar com seu criador, para saber mais sobre o assunto.
Ruhan Victor (Imagem: Facebook)
1)    Qual sua formação? 
Eu me formei em jornalismo em março deste ano na UFS. Sempre quis fazer moda, mas como todo bom sergipano um pouquinho mais velho que gosta do assunto, passei pelo dilema de não ter esse curso ofertado aqui na época do vestibular. Porém, como eu também gostava de comunicação, optei por essa área, pensando em focar depois no próprio jornalismo de moda. Acho que 80% dos trabalhos que fiz na faculdade foram sobre isso! kkk
2) Quando e como surgiu seu interesse por moda?

Não sei bem ao exato, mas a moda sempre me chamou muita atenção. Lembro que quando criança eu amava a revista Caras só por conta da cobertura das famosas no tapete vermelho. Maior criança viada! Achava incrível aquele show todo, o drama, os vestidos... Depois eu comecei a ler mais, ver filmes, videoclipes, e o interesse só foi aumentando. Acho que sempre fui fascinado pela capacidade que a moda tem de incorporar várias personas, criar cenários, de você poder ser quem quiser, quando quiser. Até hoje esse é o aspecto que mais me chama atenção.

3) Aracaju está preparada para receber eventos grandiosos de moda? Como você analisa a cena de moda na capital? Quais as dificuldades de fazer um evento como o ME?
A cena é crescente, principalmente depois que a Unit ofereceu graduação tecnológica em design de moda, uma grande conquista. Mas sejamos realistas, falta muito. A maior dificuldade em Aracaju é que a moda ainda não é vista como algo profissionalmente sério. Nós não temos essa cultura. É algo que as próprias pessoas que saírem da Unit vão ter que enfrentar e mudar. Não é pessimismo, pelo contrário. É para desistir? Claro que não. Tem que buscar soluções criativas, deixar o seu legado. Só assim muda. Não dá para ficar com a cara pra cima esperando que tudo mude de uma hora pra outra, ou ir embora de vez sem antes ter tentado.
ModaÉ Esporte (Imagem: Facebook)
A maior dificuldade em criar eventos como o ModaÉ é torná-los financeiramente rentáveis, principalmente dado esse cenário local. Como essa nunca foi minha intenção, não tenho o que reclamar. Eu não queria ganhar dinheiro, queria colocar o negócio para frente, que era meu tcc também. Busquei patrocínio, Sesc, Senac, Secretaria de Juventude e outros grandes parceiros, amigos, toparam e a coisa aconteceu. Não tive problema nenhum nesse sentido, tanto que a entrada dos eventos é 1 kg de alimento não perecível, que são doados a instituições de caridade.
Fiz algo utópico mesmo, pela moda, pela cidade, por mim, queria mostrar que era possível. O projeto tem também esse caráter político e colaborativo, só participa quem acredita, quem compra a ideia também. É um coletivo, não faço nada sozinho. Funcionou para mim, mas é claro que espero ver as coisas rolarem de outros jeitos também. Tem que ser assim.

4) Qual seria o Moda É dos sonhos? Quem seriam os convidados e qual o tema?
Tenho ficado cada vez mais interessado no lado business da moda, então acho que o ModaÉ dos sonhos seria nesse sentido. Se é para sonhar, eu escolheria a Regina Guerreiro, lendária jornalista de moda e o Paulo Borges, criador do SPFW. Como trabalho sempre com trio de convidados, colocaria o Caio Braz, do GNT.  A pauta seria a indústria e o jornalismo de moda no Brasil. Daniela Falcão, editora da Vogue Brasil, Mônica Salgado, da Glamour e Erika Palomino seriam maravilhosas opções reservas! (e você sempre precisa de muitas alternativas quando se organiza eventos! Kkk)
ModaÉ dos Sonhos para Ruhan: Caio Braz (centro), Regina Guerreiro (direita), Paulo Borges, Erika Palomino, Daniela Falcão e Mônica Salgado (em cima)

5)    O que podemos esperar do Moda É e de seus projetos?  
Tenho sentido que o ciclo do ModaÉ está cada vez mais próximo de ser fechado. Acredito muito nisso, em fases, e acho que o projeto em si já deixou sua marca. Em menos de um ano fizemos três eventos, lotamos auditórios, salas, viramos ponto de encontro.
Edição drops do ModaÉ sobre Empreendedorismo Cultural, com a produtora cultural Elma Santos e Victor Balde,  cocriador do Festival Zons (Imagem: Facebook)
Devo realizar mais um evento este ano, sobre moda e gênero, e aí essa deve ser a despedida oficial. Moda é novidade, temporada, e assim também é o ModaÉ.  O maior legado do projeto é incentivar a criatividade, mostrar que é possível realizar, que moda pode, e deve ser levada mais a sério. E com público para isso.

Ruhan, obrigada pela "entrevista", parabéns pelo projeto e espero que este tenha sido o primeiro de muitos!

0 comentários:

Postar um comentário