Acervo de figurino do Teatro Castro Alves

26.1.16 ∙ , , , ,
No ano passado, eu tive a incrível oportunidade de conhecer o acervo de figurino do Teatro Castro Alves em um passeio promovido pela faculdade que estudei lá em Salvador, a Unifacs, e a experiência foi tão significativa que não poderia deixar de compartilhar com vocês, mesmo que atrasadinha (culpa do projeto de conclusão de curso que sugou meu tempo, haha!).

A visita foi guiada por Nei Lima, Relações Públicas do teatro e também figurinista e assessor do centro técnico do TCA. No dia, estava ocorrendo a Exposição Orquestra Plástica, promovida pelos Núcleos Estaduais de Orquestras Juvenis e Infantis da Bahia (NEOJIBA).




O projeto da construção do Teatro Castro Alves começou em 1948, decorrente de uma reivindicação da classe artística que precisava de um espaço para se apresentar. Em 1956 o espaço ficou pronto, mas no dia nove de julho houve um incêndio, o que inviabilizou a inauguração que estava marcada para o dia 14 do mesmo mês. Por conta disso, o teatro ficou fechado e só foi oficialmente inaugurado em 4 de março de 1967.

A estrutura da construção buscou eliminar a hierarquia presente nos teatros, de modo que todas as pessoas entrassem e saíssem pelo mesmo lugar, fazendo com que todos desfrutassem de um momento prazeroso, sem haver distinção social. Prova disso, é que o TCA promove espetáculos cujo valor do ingresso chega a custar apenas R$ 2 reais!








Dentro do TCA, há três ateliês: de costura, de adereço e de cenografia.  Bel, designer de moda formada pela Unifacs, é a coordenadora de figurino há um ano. Neste espaço eles recebem patrocínio de produtora para confecção das peças, prestam consultoria sobre tecidos e costuram as roupas.




















O acervo do teatro conta com cerca de cinco mil peças, que podem ser alugadas por preços que variam entre R$ 5 e R$ 50 mais o valor do caução. Agora deixo vocês com as fotos para que possam entender a razão do meu encanto!


Beijo!

0 comentários:

Postar um comentário