Fest Contrapedal: música, gastronomia e cinema!

16.7.17 ∙ , , , , , , , , ,
Antes de começar mais uma série #RolêSP, vim falar sobre o Fest Contrapedal, que aconteceu nos dias 8 e 9 de julho, em São Paulo, em parceria com o Jardim Secreto Fair, que será tema de outro post pra não ficar mais longo do que já está, haha.

Com dez anos de história no Uruguai, o Festival Contrapedal desembarca em São Paulo nos dias 8 e 9 de julho. O evento, que explora diferentes linguagens, como cinema, música, artes visuais e gastronomia, tem a nova produção artística da América Latina como foco. Por aqui, o evento é patrocinado pela Oi e tem apoio cultural do Oi Futuro e terá a sua programação de shows no Centro Cultural São Paulo e uma festa no Centro Cultural Rio Verde.
Eu não fui para a Mostra Audiovisual, mas quem tiver interesse em assistir os filmes que participaram, anote aí: JAUJA (Lisandro Alonso, 2014), Cinema Novo (Eryk Rocha, 2016), Los Años Azules (Sofía Gómez Córdova, 2017), Clever (Federico Borgia e Guillermo Madeiro, 2015).

A programação musical contou com shows em dois ambientes, com djs no terraço do CCSP e bandas na sala Adoniran Barbosa. No dia 8 as bandas foram:


Sala Adoniran Barbosa:
15h Cuscobayo (BR) + Tagore (BR)
16h Edson Velandia (CO)
17h Miss Garrison (CH)
19h Nomade Orquestra (BR) + Russo Passapusso (BR)


Jardim Suspenso:

14h Dj Barata (BR)
16h Dj Pancho Valdez (BO)


Eu consegui ver o show da Miss Garrison e achei uma vibe Portishead + aquelas bandas que tocam no final do episódio de Twin Peaks, no Bang Bang Bar. A Nomade Orquestra foi uma descoberta incrível, eu realmente não conhecia e a presença do Russo Passapusso, do Baiana System, foi sensacional, energia absurda!


A feira gastronômica tinha expositores da Arepas UrbanikaDi.FôrmaEmpanadas Sabor a MiGourmex TaqueriaLa Cholita e Quirquina. 

À noite, ainda no primeiro dia do festival, rolou festa no Centro Cultural Rio Verde, com:


22h Munchako (BR)
23h MULA (DO)
00h Dani Umpi (UR)
01h Linn da Quebrada (BR) + Mc Xuxu (Br)
02h30 Patricktor4 (Br)

Consegui pegar o finalzinho do show do MULA e pelo pouco que ouvi, acho que vale a pena dar uma pesquisada por curiosidade. Apesar de Linn da Quebrada ter sido a atração principal, eu gostei mesmo foi do show do Dani Umpi, que é muito divertido, a estética da banda é bem interessante, com uma pegada kitsch (que já que falei um pouco aqui) e o som é uma mistura de eletrônica com pop. Desta vez me senti numa trilha de algum filme do Pedro Almodóvar, haha!

 

No dia 9, a programação musical foi esta:


Sala Adoniran Barbosa:
15h Baleia (BR)
16h Franny Glass (UR)
17h Mateo Kingman (EC)
18h Jaloo (BR)

Jardim Suspenso:
14h DJ Flávia Durante (BR)
16h Patricktør4 (BR)


Eu voltei especificamente para ver o show de Jaloo, que só conhecia de nome. Antes disso fiquei encantada com a banda Franny Glass, recomendo muito! 


Sobre o Mateo Kingman eu confesso que até hoje não sei o que acho do som. Então sugiro que busquem lá no Spotify e tirem suas próprias conclusões, haha.


Quanto ao show do Jaloo, deu para entender porque tanta gente o ama. O show é parece uma festa entre amigos e ele tem um carisma gigante, além de ser uma fofura. Que bom que paguei a língua, haha!


Se tiver a oportunidade de participar da próxima edição deste festival, vá! O evento é gratuito, muito organizado e proporciona descobertas incríveis de uma galera aqui do lado que a gente nem conhece. Se quiser ouvir o som de algumas bandas que tocaram lá, siga a playlist que meu querido amigo Edilberto montou lá no Spotify!

Beijo e deixo vocês com outra pessoa que também entendi porque vocês falam tanto, Russo Passapusso, do Baiana System, talvez uma das pessoas mais simpáticas que eu já vi na vida!



1 comentários:

  1. Velho, uma das surpresas mais agradáveis dessa viagem! Esse festival foi muito massa, e o melhor de tudo, gratuito!

    ResponderExcluir