SPFW N44: resumão

7.9.17 ∙ , , , , , , ,

Entre os dias 27 e 31 de agosto, rolou a última edição do São Paulo Fashion Week, a principal semana de moda do Brasil, que contou com o desfile das seguintes marcas:

(Imagem: Vogue Brasil)

Não consegui acompanhar todos os desfiles, mas algumas coisas me chamaram atenção e vim contar pra vocês!

  • À La Garçonne realizou um desfile independente do SPFW, um dia antes da abertura da semana, no Theatro Municipal da capital paulista, apresentando looks com camuflagem militar, xadrez, em modelagem oversized, que já é uma assinatura da marca, e podiam ser obtidos logo após o desfile no esquema see now, buy now. A sofisticação, a sensualidade e a elegância apareceram nas passarelas através de transparências e da mistura entre streetwear e alfaiataria.Um dos destaques ficou por conta da presença do modelo Pietro Baltazar, que participou do clipe da Anitta e é conhecido como "Justin Bieber do Vidigal".

(Imagem: FFW)
  • Glória Coelho convidou suas clientes, como a blogueira Camila Coelho e a cantora Marina Lima, para serem as modelos da sua coleção inspirada na série The Crown, mostrando que suas peças ficam bem em qualquer tipo de mulher.
(Imagem: FFW)
  • Amarelo ocre é a tendência da vez! 
Lily Sarti Verão 2018 (Imagem: Vogue Brasil)
  • Ronaldo Fraga fez sua estreia no segmento beachwear mantendo como regra a diversidade, reafirmando que a praia é o espaço mais democrático que existe, trazendo referências dos anos 1920. 

(Imagem: FFW)
(Imagem: Uol Estilo)
  • Victor Apolinário, a mente criativa por trás da Cem Freio, encabeçou um projeto em parceria com a Natura, juntamente com outros profissionais, para refletir sobre a questão da representatividade no mundo da moda, defendendo a ideia de que "Toda Beleza Pode Ser". Por que o caso de Maria Aparecida de Oliveira, por exemplo, ainda é notícia? Diante disto, houve um desfile com casting bem diverso composto por pessoas reais e que fogem do padrão de beleza imposto pela sociedade. 
(Imagem: A Tarde)
Maaaas, nem tudo são flores e alguns acontecimentos desta edição foram bem criticados, como a discussão sobre apropriação cultural, no desfile da Coven, e o caso de racismo que o rapper Evandro Fióti, irmão e sócio do Emicida na Lab Fantasma, apontou ao ter sido barrado no desfile da própria marca. É indiscutível que as últimas edições desta semana de moda têm evoluído muito em termos de discussão sobre empoderamento, aceitação e diversidade, mas ainda é só o começo.

Mas e aí, e vocês, o que acharam deste SPFW N44? 

0 comentários:

Postar um comentário